Share

O Movimento Associativo Italianos no Exterior (Maie), movimento cultural, social e político, não pretende privilegiar uma matriz ideológica específica, a não ser representar e defender o valor das comunidades italianas no exterior.

Os princípios orientadores do movimento são basicamente três: a proteção social dos imigrantes italianos, a promoção da nossa cultura e nossa língua, e a construção do “Sistema Itália" no mundo.

Esta posição levou o MAIE a ser oposição a vários governos italianos que, nos últimos anos têm destruído a rede consular italiana no mundo, violaram os direitos dos italianos que vivem no exterior (com a introdução da taxa sobre a cidadania e o IMU), eles abandonaram a nova emigração italiana à sua própria sorte, cortando fundos para a promoção da língua e cultura italiana e para as Câmaras de Comércio no exterior.

O programa MAIE resumido em 10 pontos:

1. Rede Consular: mais recursos, menos atrasos.

A Rede Consular é o cartão de visitas da Itália no mundo. É necessário encontrar uma solução para o estado de catástrofe da mesma, garantindo a cada consulado um número adequado de funcionários para assegurar a sua eficiência. Aqueles que têm governado nos últimos 10 anos nos deixaram em uma situação caótica e insuportável. Atualmente para a emissão de um passaporte ou o reconhecimento de uma cidadania levam anos de espera, até mesmo há impossibilidade de se conseguir um lugar na loteria dos agendamentos para o passaporte. É necessário um aumento gradual para 97 milhões de euros por ano de fundos para pagamento de pessoal que trabalhem em consulados. Este montante representa apenas 0,0019% do gasto público italiano, o que é perfeitamente viável. Com mais parlamentares do MAIE – o único partido dos italianos no exterior – teremos mais poder para fazer cumprir este objetivo fundamental.

2. Cidadania italiana: não à taxa, sim à igualdade de gênero.

Eliminar o imposto sobre a cidadania: a lei italiana afirma que é cidadão por nascimento o filho de um cidadão italiano. O pagamento de uma taxa no valor de EUR 300, para obter o reconhecimento de um direito, é totalmente inconstitucional. Em um estado de direito, a taxa deve corresponder à uma prestação de um serviço, não para o reconhecimento de um direito; fazê-lo é transformar o nosso estado em um sistema plutocrático, porque só a pessoa que tem dinheiro pode fazer reconhecer o seu direito. O Estado Italiano, como tal, deve garantir os serviços consulares.

A igualdade de gênero: remediar a discriminação injusta que ainda pesa sobre as mulheres. Muitos filhos de mães italianas nascidos antes de 1948 (e todos os seus descendentes) não têm acesso à cidadania italiana de hoje por causa de uma lei antiquada e discriminatória que precisa ser mudada.

3. Língua e Cultura Italiana.

A difusão da língua e cultura italiana é uma das ferramentas mais eficazes para fortalecer e promover a presença italiana no mundo. Alocar mais fundos a este setor, longe de ser um custo para a comunidade, é um investimento que vai se transformar em benefícios para a Itália. A promoção da língua deve ser completa, não só para crianças e jovens em idade escolar, mas também para os adultos que, devido à sua origem ou atração cultural pelo nosso país, querem fortalecer laços com a Itália.

É preciso haver maior coordenação entre os diferentes atores do sistema por um organismo oficial para a promoção da língua e através da formação de professores no exterior e o estabelecimento, nos maiores consulados, da figura principal do Promotor Cultural, que interage com as associações e organizações de voluntariado das comunidades italianas no exterior. É essencial promover o estudo do italiano também nas escolas públicas estrangeiras.

4. Câmaras de Comércio.

Melhorar e fortalecer as Câmaras de Comércio italianas no exterior, por meio do aumento de financiamento e reforma dos regulamentos que regem o sistema deve ser uma das prioridades do Governo Italiano para promover a presença econômica italiana no mundo.

5. Eliminar o IMU.

Os italianos que vivem no exterior, pagam o imposto IMU sobre sua casa na Itália, pelo fato de que ela não é considerada "primeira casa", uma discriminação injusta que precisa ser remediada.

6. Promover a universidade e o intercâmbio científico.

Em um mundo globalizado, a Itália tem que promover ainda mais a sua excelente oferta universitária, promover um sistema de bolsas de estudo para jovens de origem italiana a se formarem na Itália e promover a cooperação científica com pesquisadores de origem italiana.

7. Controlar a imigração ilegal e facilitar o regresso de famílias italianas.

A política de migração italiana deve dar prioridade à entrada de famílias italianas ou de origem italiana do exterior e, por outro lado, ao contrário do que foi feito nos últimos anos, controlar e rejeitar a imigração ilegal.

8. Saúde na Itália.

Fornecer atendimento médico aos residentes italianos no exterior quando eles retornarem temporariamente para a Itália. Os cidadãos italianos devem ter acesso gratuito ao sistema de saúde na Itália, mesmo que sua residência seja no exterior.

9. Reabertura de consulados e recontratação de pessoal.

Quanto à necessidade de fortalecer a rede consular, é necessário reabrir os consulados fechados nos últimos anos, por exemplo: Montevideo (Uruguai), Newark (EUA), San Gallo (Suíça). Abertura de novos consulados em territórios com uma grande comunidade italiana como, por exemplo, os estados brasileiros do Espírito Santo e Santa Catarina.

10. Tutela da nova mobilidade.

A globalização envolve o fenômeno da mobilidade: trabalhadores, pesquisadores, estudantes e profissionais buscam oportunidades de trabalho em outros países que nem sempre são definitivos, assim tantos jovens italianos vão para o exterior, ou os italianos nascidos no exterior mudam temporariamente a residência para outros países. Além disso, temos as migrações resultantes de crises políticas ou econômicas (por exemplo, Venezuela). É necessário reformar o AIRE (Registro de Italianos Residentes no Exterior), a fim de entender este fenômeno de forma mais efetiva e proteger os direitos dos cidadãos migrantes italianos.

Share

CERCA NEL SITO

TRADUCI QUESTA PAGINA

 
Questo sito utilizza cookie di profilazione, eventualmente anche di terze parti. Questo sito o gli strumenti terzi da questo utilizzati si avvalgono di cookie necessari al funzionamento ed utili alle finalità illustrate nella cookie policy. Chiudendo questo banner, scorrendo questa pagina, cliccando su un link o proseguendo la navigazione in altra maniera, acconsenti all’uso dei cookie. Se vuoi saperne di più consulta la cookie policy.
x

Login Form